Faça do seu sutiã seu aliado.

16:58


 Comissão de frente

O primeiro sutiã é um marco na vida de toda mulher, é o ícone de uma transformação que começa a acontecer quando a garota o experimenta. Naquele momento a gente mal imagina que no futuro seremos vítimas dessa armadura que por mais que tenha evoluído, ainda possui costura, ganchos e ferrinhos que nos lembram algo medieval.


São inúmeros os fatores que nos levam a precisar do sutiã, como proteção, sustentação e silhueta, e mesmo assim, a maioria das mulheres ainda escolhe o sutiã de forma errada.

Como escolher o sutiã ideal

O sutiã pode ser um verdadeiro ás na manga. Para valorizar seu corpo e seu decote, escolher o sutiã certo requer aceitação do próprio corpo e habilidade para entender como ele transforma suas curvas.

Você precisa ter pelo menos três cores básicas de sutiã: branco, preto e cor da pele. Assim ele elegantemente desaparecerá por baixo de peças claras ou de tecidos mais finos.
Se o decote da peça que você quer usar é diferenciado, vá até a loja de sua preferência com a peça e experimente um sutiã junto com ela, assim não há risco de incômodo ou de o sutiã aparecer ou mudar o caimento de um decote que poderia lhe favorecer.

Atenção às alças do sutiã


Alças velhas, frouxas e com bolinhas aparentes não valem. Invista em você edescarte peças velhas. As alças de silicone eram uma promessa de que seu sutiã poderia parecer invisível. Mas não é bem a verdade, o efeito visual é deselegante e as alças ainda marcam a pele e são desconfortáveis.
Sutiã no tamanho certo

Se o sutiã está subindo nas costas ou na frente, é sinal de que o tórax está largo e, consequentemente, não está dando sustentação. Se está apertado, não só evidencia as gordurinhas, mas também pode criar marcas na pele e aumentar o desconforto.
Algumas empresas já fabricam sutiãs pensando no tamanho dos seios e na largura das costas. Para escolher o tamanho ideal não se esqueça de que é a faixa do tórax, e não as alças, que dá sustentação.

Funcionalidade do sutiã


Seja objetiva na hora de escolher seu sutiã e saiba exatamente que função você quer que tal modelo cumpra. Você quer aumentar? Juntar? Levantar? Diminuir? Modelar? Para cada uma dessas perguntas existe um modelo de sutiã como resposta.
Bojo e enchimento são bem vindos para quem tem seios pequenos, pode deixar você mais curvilínea e favorecer o caimento da roupa no seu corpo.
O enchimento não serve apenas para aumentar os seios, os modelos com espuma apenas na parte inferior da taça servem para levantar os seios também. Por isso, nem sempre o modelo com enchimento deve ser descartado por quem tem seios fartos.
Quem tem os seios maiores precisa de segurança e firmeza, para não causar problemas de postura. Os modelos com laterais e costas largas são as mais indicadas dar sustentação e segurança.
E finalmente se sua maior preocupação é a flacidez, a solução existe. Procure por modelos com costura reforçada ou bojo modelador.

Sutiã e a prática de esportes


Sutiãs para a prática de esportes são desenvolvidos para eliminar a necessidade de uso de sutiãs antigos de sustentação ou dois tops para suporte de seios maiores. Existem marcas especializadas nesse tipo de roupa íntima, que pede conforto, praticidade e qualidade.
O mercado da moda conta com tecnologia têxtil para proteger a mulher que pratica esportes. Esses sutiãs devem ser confeccionados em cotton lycra resistente macio ao toque, além de telas de microfibra e sistema antibacterianos no próprio tecido. É importante que a sustentação se dê através de modelagens e recortes que proporcionem mais estabilidade e segurança nos movimentos.
O sutiã certo não é apenas uma ferramenta para melhorar seu visual, é também um instrumento de cuidado com seus seios, por isso também se preocupe em usar diariamente um hidratante na região dos seios, para cuidar não apenas da aparência do colo, mas também da textura da pele.

Quais cores combinam com você?
O poder da cor

A cor é um dos elementos chave na composição de um visual harmonizado, capaz de rejuvenescer e iluminar a pele. Uma escolha errada pode empalidecer, acentuar olheiras e marcas de expressão e até deixar você com um aspecto abatido. Um ramo da consultoria de imagem oferece um serviço que indica quais cores mais combinam com a pessoa, a análise de coloração pessoal.

O interesse pela relação das cores com a valorização da aparência do indivíduorefletiu na incorporação do tema nas universidades norte-americanas na primeira metade do século 20. Várias pesquisas foram desenvolvidas a partir da constatação de que a pigmentação da pele, cabelo e olhos carregam informações sobre o estilo e a personalidade.
Foi concebida a teoria sazonal das cores, sistema que categoriza as pessoas como quentes ou frias e as enquadra em um dos quatro grupos de cores que correspondem às estações do ano primavera, verão, outono e inverno. Além da temperatura, a saturação e a profundidade dos tons da pele são analisadas.

Gabi Souza, consultora de imagem da Boucle Consulting, explica que o fato de dois terços das pessoas serem neutras, resultado da mistura de pigmentos, motivou a ampliação do método para análise sazonal expandida, popularizada nos anos 1990 com a adoção da paleta de doze grupos de cores.
Após a análise, a pessoa ganha uma paleta com 36 cores para ajudar na escolha de roupas, acessórios, joias e maquiagem. Na próxima página, você vai acompanhar o passo a passo de uma análise de coloração pessoal feita por Gabi Souza, membro da Associação Internacional de Consultoras de Imagem (AICI), com uma jornalista do site Bbel.

Passo a passo


Para se submeter à análise de coloração pessoal, a cliente precisa colocar um avental sobre os ombros e um faixa de cabelo de cor neutra para deixar a pele em evidência e anular a influência de roupa e cabelo. Além de um espelho e uma cadeira, é necessário que a pessoa esteja com uma blusa neutra, sem maquiagem e bijuterias. É preferível realizar a análise sob a luz natural, mas, caso seja feita em ambiente fechado, a consultora utiliza uma dupla de lâmpadas full spectrum, cuja luz se aproxima da iluminação solar.
A primeira etapa consiste em avaliar o subtom (influenciado pelo nível de melanina, caroteno e hemoglobina), ou seja, se a temperatura da pele é quente, neutra ou fria. Tecidos de diferentes cores são dispostos sobre o avental e, aproximadamente 20 minutos depois, é diagnosticada a temperatura quente.
No passo seguinte, Gabi investiga a estação do ano compatível com o subtom da pele. A analista argumenta que a definição sazonal foi fundamentada na observação da natureza. Na primavera o florescer torna as cores vivas, no verão são opacas devido à forte incidência do Sol, no outono são terrosas por conta das folhas secas e queimadas, e no inverno são azuladas.
Por Vanessa Macedo .

Leia Também

0 comentários

Agradeço por comentar no blog.
A sua opinião ajuda a melhorar o blog.Deixa o seu link para que eu possa retribuir.
Volte sempre.

O que as pessoas comentam..

Postagem em destaque

Deus capacita você.